Grandes cidades e grandes medos

Publicado: agosto 27, 2003 em Música, escrever, sentir..., Reflexões

Muros e Grades
Engenheiros do HawaiiAs grandes cidades, num pequeno dia-a-dia
O medo nos leva tudo, sobretudo a fantasia
Então erguemos muros que nos dão a garantia
De que morreremos cheios de uma vida tão vazia

Nas grandes cidades, de um país tão violento
Os muros e as grades nos protegem de quase tudo
Mas o quase tudo quase sempre é quase nada
E nada nos protege de uma vida sem sentido

Um dia super, uma noite super, uma vida superficial
Entre as sombras entre as sobras da nossa escassez
Um dia super, uma noite super, uma vida superficial
Entre cobras entre escombros da nossa solidez

Nas grandes cidades, de um país tão irreal
Os muros e as grades nos protegem de nosso próprio mal
Levamos uma vida que não nos leva a nada
Levamos muito tempo para descobrir
Que não é por aí, que não é nada não, que não pode ser, será?

Meninos de rua, delírios de ruína, violência nua e crua, verdade clandestina
Delitos de ruína, delitos e delícias, violência travestida, vai se atordoa em armas de brinquedo, medo de brincar, e anuncios

luminosos, lâminas de barbear

Um dia super, uma noite super, uma vida superficial
Entre as sombras entre as sobras da nossa escassez
Um dia super, uma noite super, uma vida superficial
Entre cobras entre escombros da nossa solidez

Viver assim é um absurdo
Como um outro qualquer
Como tentar um suícidio
Como amar uma mulher
—-

Adoro muito Engenheiros. Acho que as letras são cheias de uma poesia direta e realista.
Sobre essa música, condiz muito com a minha vida em São Paulo. Cada vez mais os muros ficam mais altos e as grades mais espessas, o medo é um fator que cada vez mais limita as pessoas, as restrigindo cada vez mais para si mesmas. E quanto mais ela fica restrita, mais o seu horizonte vai diminuindo, mais a interação deixa de acontecer, e sua existência, em essência, também é diminuída, a medida que suas próprias vivências vão se tornando escassas.
Eu me sinto assim, muitas vezes, muito diminuído, ainda mais por um medo que não é meu.
Por isso quero ir para longe, me livrar de algumas influências, descartar algumas inseguranças, conheces novos portos e mares. Os dias não andam muito bons por aqui, talvez eu ande meio distante, ou abstrato.
Mas passa logo 🙂
—-

” Dizer que o medo é um sentimento de autopreservação é uma desculpa para que se mantenha a consciência limpa quanto as escolhas comodistas que fazemos pela vida ” (Voz do subconsciente)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s