Arquivo de setembro, 2003

Só é seu aquilo que você dá

Publicado: setembro 21, 2003 em Olhar para dentro

Lampirônicos
PoP ZeNTudo que você tem não é seu, tudo o que você guardar
Não lhe pertence, nem nunca lhe pertencerá
Tudo que você tem não é seu, tudo o que você guardar
Pertence ao tempo que tudo transformará

Só é seu aquilo que você dá
Só é seu aquilo que você dá

Tudo aquilo que você não percebeu
Tudo que não quis olhar
É como o tempo que você deixou passar

Tudo aquilo que você escondeu
Tudo que não quis mostrar
Deixe que o tempo com o tempo vai revelar

Só é seu aquilo que você dá
Só é seu aquilo que você dá
Só é seu aquilo que você dá

E o beijo que você deu, é seu, é seu beijo
E o beijo que você deu, é seu, é seu

——————–

Ontem assisti ( novamente ) Doce Novembro. Uma mensagem muito bonita, que trata de casualidade, intensidade e muito, mas muito mesmo, de opções.

Viver muito ou ser feliz enquanto se vive. Até quanto a moderação vale a pena? Por que o modo de nos expor, por que avaliar tantos riscos? Porque queremos sobreviver, em boas condições, para fazer com que nossa felicidade dure por mais tempo, diriam alguns. Era o que eu diria também, até bem pouco tempo atrás.

Mas eu começo a perceber que o medo é maior que os riscos. E, sendo assim, nós também começamos a deixar de fazer coisas que valeriam a pena, deixamos de estabelecer metas mais ousadas, que poderiam trazer um retorno muito maior.

Eu quero ser feliz, e abdicaria de muita coisa na minha vida ” segura ” por isso. E pretendo fazer isso, muito brevemente, indo pra Floripa.

Blerght. Não dá + pra postar.
Acabei de saber que meu antigo blog gabrielwannadream.blig foi deletado. Nele eu tinha um ano da minha vida, eu tinha um ano de meus sentimentos. Que se apagaram, porque minha memória certamente não vai me permitir lembrar de muita coisa. Eu sei que tudo isso faz parte do meu ” ser ” e que, mesmo não lembrando, isso não vai diminuir a importância que teve na minha formação.
Ainda assim…
Não queria que ele tivesse “ido”. Eu tinha planos pra reativá-lo em breve, ia deixar esse blog para questionamentos e textos mais políticos, e o outro de uma maneira mais pessoal. Perdi também o melhor template que já recebi de presente (obrigado Senhorita), da Alanis Morissette. Eu já ia postar comentando sobre as melhoras do blig quando ele me apronta isso. Legal -.-

Carlos Drummond de AndradeAnoitecer

É a hora em que o sino toca,
Mas aqui não há sinos;
há somente buzinas,
sirenes roucas,apitos
aflitos,pungentes,trágicos,
uivando escuro segredo;
desta hora tenho medo.

É a hora em que o pássaro volta,
mas de há muito não há pássaros;
só multidões compactas
escorrendo exaustas
como espesso óleo
que impregna o lajedo;
desta hora tenho medo.

É a hora do descanso,
mas o descanso vem tarde,
o corpo não pede sono,
depois de tanto rodar;
pede paz – morte – mergulho
no poço mais ermo e quedo;
desta hora tenho medo.

Hora de delicadeza,
gasalho, sombra, silêncio.
Haverá disso no mundo?
É antes a hora dos corvos,
bicando em mim, meu passado,
meu futuro, meu degredo;
desta hora, sim, tenho medo.
—————–

A vida continua cinza em São Paulo. Tudo dentro de mim oscila de maneira estranha, e por mais que eu procure um bode expiatório para toda essa dor, eu não consigo me enganar. A solidez me assola, em todo e qualquer momento que minha obrigação se impõe aos meus preguiçosos desejos. O amor costuma ser uma lembrança instigadora, mas, nesse momento, só me torna ainda mais saudoso de anos que passaram, de tristezas e felicidades que não vão voltar.

No entanto, novos caminhos se apresentam, velhos amigos ainda caminham ao meu lado, e as perspectivas não são de todo ruins.

A vida continua, disso eu sei.
Como Renato já disse, e eu já comentei algumas vezes aqui no blog, ” viver é uma dádiva fatal, no fim das contas ninguém sai vivo daqui, massssss, vamos com calma “.

E eu não me importaria se tivesse que correr atrás de novo
Se tudo o que houvesse construído fosse destruído
Ou se as trevas se impossem em minha frente
Desde que ao meu lado estivessem as mesmas pessoas

E eu não me importaria de sonhar tudo de novo
Se nos sonhos estivesse você
Eu não quero que a paz me inunde
Se a paz os levar para longe…