A gente se distrai… e de repente conhece o mundo

Publicado: janeiro 27, 2008 em Olhar para dentro, Reflexões

As coisas mudam tão rápido. O tempo é cada vez mais veloz.
Quanto tempo a gente espera para ter a chance de falar o que gostaríamos, demonstrar o que gostaríamos, fazer o que gostaríamos, e como fazemos quando, então, chega a hora?

Tenho procurado um pouco mais de intensidade (e é uma busca contínua, um objetivo perseguido de diversas e diferentes formas). Muito de mim em tudo o que faço. É desgastante e cansativo, mas é bem recompensante. É um papo bem antigo, costumo repetir bastante, e ainda assim me surpreendo. 

Ato 1

Saber interpretar os sinais: é possível que as pessoas queiram as mesmas coisas que você, sintam as mesmas coisas que você, mas manifestem e demonstrem isso de formas diferentes. Nem todos temos os mesmos limites, os mesmos momentos, as mesmas possibilidades. A amizade pode ser declarada de muitas maneiras, e o que temos que fazer é estar aberto a todas elas. A confiança que recebi ajudou a suprir um pouco das ausências que não poderia deixar de sentir.

Ato 2

É muito gostoso quando tem tudo pra dar merda e chega alguém salvando o dia. E melhor ainda é saber que existem pessoas queridas que, mesmo que distantes, realmente se importam conosco. Alias, acho que a gente menospreza muito o que os outros sentem em relação a nós. Talvez se fossemos um pouco mais preocupados com coisas pequenas nos dariamos a chance de fazer pessoas queridas mais felizes (o que no meu caso é uma realização tremenda). Cartas, telefonemas, emails, cartões, um livro, ou convites repentinos.

Ato 3

Engraçado como a maioria das pessoas se tornaram indiferentes em relação a miséria. Na rodoviária de brasília, um homem apaga, cai de cabeça no chão, começa a ter um ataque epilético (e aquelas cenas de filme, espumando pela boca, contorcendo-se, etc), e num raio de 50 metros, o máximo que as pessoas fazem é olhar curiosas.
E é sempre assim: se é alguém arrumado, cheiroso, limpo, a ajuda existe e é abundante, sempre tem alguém para segurar seu braço e pedir socorro. Mas se é um mendigo bêbado/sujo, não há nenhum esforço em ajudá-lo. No máximo comunicar a um segurança que tem um cara tendo um ataque em tal lugar.
Já estava ficando puto e prestes a perder o controle (a indignação, quando elevada de forma exponencial, faz a gente ficar meio maluco), quando chegam duas mulheres para (tentar) ajudar. Acho que tinham uns 40 anos, uma era médica e a outra estudante de Direito. Sabe, eu estava a um ponto de mandar as pessoas tomarem em seus respectivos pequenos orifícios, e de repente as duas me aparecem, sem o mínimo de nojo, a médica me ensinava como segurá-lo para que não se machucasse mais e a estudante ligava para os bombeiros pedindo auxílio médico, cobrando previsão de chegada, essas coisas.

Às vezes a gente acha que está sozinho, mas perto da gente podem estar pessoas dispostas a ajudar. Dispostas a perder parte do seu dia para tentar ajudar alguém, mesmo que seja alguém de tão pouca importância para o resto do mundo. E se às vezes alguns acontecimentos insistem em me dizer que estamos indo de mal a pior, é só estar atento, e estar agindo de acordo com o que se pensa, que acabamos encontrando algo de que muito preciso para continuar vivendo: sonhos e esperanças, a semente da transformação dessa sociedade egoísta para uma coisa mais… humana.

Anúncios
comentários
  1. Verônica disse:

    Hey, hey meu querido!

    Concordo com todos os atos.
    E sim, as pessoas manifestam e demonstram sentimentos umas diferentes das outras. Vejo isso em nós dois, concordo com muitas coisas que você diz, mas manifesto e demonstro de maneira totalmente diferente, porém respeitando-te sempre ou qualquer um que seja.

    Beijos.

  2. Carol disse:

    Gabriel,

    Adoro vir aqui e reconhecer você em cada linha do texto!

    Somos diferentes sim, mas cada um de nós pode fazer algo para tornar esse mundo um lugar mais humano.

    Também acredito mais na humanidade quando temos solidariendade com os menos favorecidos (ou menos importantes…)

    Para aquele homem pobre que passou mal na rodoviária, vocês três fizeram toda a diferença.

    Beijos,
    Carol

  3. Cátia disse:

    Se olhar bem, mas bem olhadinho, ainda tem algumas ações epessoas que nos fazem acreditar neste “MUNDO”!

  4. Colombina disse:

    PERAÍ! Como você não sabe o telefone da ambulância? Não tirou carta de motorista, não? Deveria saber: 192. Se você não é médico, não fez curso de primeiros socorrros ou nunca leu nada sobre o assunto, decore o número. 192. Resolve qualquer acidente.

  5. ela mesma disse:

    É por essas e outras que durante a minha vida toda eu sempre procurei me apaixonar por almas e não por corpos. Com esse pensamente eu até contrario o poeta, mas assim eu não corro o risco de me apaixonar por uma marca ou por alguém montado pela minha fiel ingenuidade.
    Mesmo porque as almas para mim têm cores. E os corpos são pálidos. Não me sentiria atraída por eles. Sem contar que sou vegetariana e carne definitivamente não é o meu forte.

  6. ela mesma disse:

    “Nada contra o sexo pelo sexo – tesão é tesão e quer se satisfazer, ou por fazer aquilo que se tem vontade, pura e simplesmente.”

    Só que sexo é apenas sexo. Ele não exige nome, CIC e nem RG. Exige apenas vontade. E talvez essa seja a mais sincera de todas as relações.
    Bem diferente das estabelecidas pela sociedade como relações prodígio.

  7. Marilac disse:

    Gabriel,

    Os sinais nem sempre são claros, mas estão ai…Somos diferentes e ao mesmo tempo temos tanto em comum.Aprendemos uns com os outros.

    A vida é mesmo a maior aventura, você pode até ter planejado tudo direitinho, mas sempre vem alguma surpresa boa ou má por ai….e vamos aprendendo com cada experiência.Existem momentos mágicos que são melhores do que os que poderiamos sonhar.

    A solidariedade deveria ser independente de status/cor/etc.
    Mas o mundo anda de um jeito que as pessoas tem medo e ficam paralisadas mesmo quando o momento exige ação rápida.Que bom que essas mulheres apareceram para lhe ajudar a prestar auxilio, com certeza esse gesto motivou muita gente ali presente a fazer algo de uma proxima vez..

    Ghandi dizia que:
    “O amor é a força mais sutil do mundo.”

    Bjs
    Marilac

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s