Ambiguidades (ou As partes do meu todo)

Publicado: maio 17, 2009 em Olhar para dentro

Eu sou metade sonho e metade existencialismo. Caminho sobre o fino cordão. Querendo viver com a inspiração e disposição da libertária revolução absoluta, e com a consciência de que, quando os grandes saltos não são possíveis, os pequenos passos são ainda mais fundamentais.

Querendo cultivar a esperança no ser humano mesmo quando ele nos parece tão egoísta. Enfrentando o meu medo de ter medo de não acreditar mais (que, como disse RR, não faz da minha força uma confusão).

Tentando descobrir o mundo real sem me perder do mundo ideal. Lutando pela sobrevivência e fugindo do embrutecer da existência.

(minha utopia, meu norte).

Uma ambiguidade tão grande. A um passo do amor mais intenso, a um passo da solidão mais dilacerante. O amante mais dedicado, ou o colega mais distraído.

(o querer ser da explosão da paixão infinita).

Um poço de idealismo mergulhado no racionalismo da curiosidade que não se contenta com poucas respostas. Que quer sair da superfície, e aceita as consequências e os perigos da profundidade.

Anúncios
comentários
  1. Carol disse:

    Gabriel,

    As pessoas mais paradoxais, quando buscam o caminho da superação e do bem comum, são as mais interessantes, as que podem fazer pequenas ações que levem a mudanças importantes.

    Contam, que antes de inventar a lâmpada elétrica, Thomas Edison errou inúmeras vezes. A diferença entre ele e a mioria de nós é que ele jamais desistiu.

    Há milhões de pessoas insistindo em fazer uma pequena diferença positiva nesse mundo, todas, claro, com uma boa dose de idealismo a sua frente…

    “DAS UTOPIAS
    Se as coisas são inatingíveis… ora!
    Não é motivo para não querê-las…
    Que tristes os caminhos, se não fora
    A presença distante das estrelas!”
    Mario Quintana

    Beijos, amigo e continue acreditando na vida sempre…
    Carol

  2. bella disse:

    é um grande caminhar na corda bamba, né? não se esquecer: não se acomodar com o que incomoda…
    te amo um bocadão!

  3. Ela disse:

    Eu adoro gente que foge do “embrutecer da existência”
    Que sem dar saltos, dá passos firmes.
    Vivendo no real, sem esquecer de vista o ideal.

    Eu sou suspeita mas gostei horrores deste texto!
    Estava com saudade grande.
    Hoje me permiti e tive esta grata surpresa, palavras que tocam alma. Como sempre, aliás.

  4. o mais importante é não se perder de si.
    e estar disposto pra todas as lágrimas – que são necessárias.

  5. Marilac disse:

    Gabriel,
    Querido, é assim mesmo, estamos sempre as voltas com tantas situações novas, com tanto a fazer em pouco tempo que as vezes sentimos que não estamos agindo de acordo com nossas metas, com nosso ideal , sentimos que não estamos realizando as mudanças necessárias ou estamos nos acomodando.
    A vida é esse mix de sentimentos e escolhas, vamos vivendo aprendendo e acredito que você vai trilhar um lindo caminho.
    Não desista.Precisamos da sua garra, do seu coração e da sua disposição de fazer o melhor possivel por um mundo mais justo, mais amoroso.

    Abraços,
    com carinho,
    Marilac

  6. rafaela disse:

    Bacana seu texto. Bom saber que ainda existam pessoas que acreditam nas coisas, apesar de tudo. E é assim que temos que ser. Se tivermos sempre medo de dar um passo adiante nada acontece.

  7. Sydão disse:

    Gabriel, suas expressões convergem também com as minhas. E não é o homem cheio desta ambiguidade? Sim, pq somos idealistas. Mas não somos ideais. Temos coragem, e temos medo também.

    E é com pessoas assim que construiremos a revolução. A partir da humildade de reconhecer a nossa natureza confusa e, assim, tomar o suspiro definitivo que nos ajudará a superar nossas limitações circunstanciais.

    E vamos caminhando, como nossas queridas formiguinhas…

  8. Claudia disse:

    Oi, querido…
    Vim apenas para lhe agradecer, Gabriel.
    Acho que você conseguiu captar o básico do que está se passando dentro de mim nesse momento de perda.
    Volto depois com calma, viu?

    Bjo.

    Claudia.

  9. Colombina disse:

    Gabriel, essas ambiguidades fazem de você um verdadeiro anjo encarnado!

    Hum… ser encantado, maravilhoso e maravilhado. Tentando transmitir ao mundo seu recado.

    Rezo para que você desperte mais anjos encarnados entre os mortais imorais.

  10. carol disse:

    RR… incrível, sempre tem uma frase dele que vai expressar EXATAMENTE o momento pelo qual estamos passando, né? comigo é assim. (vai ver que é assim mesmo e vai ser assim pra sempre).

    🙂

    ps: tou tentando voltar.

    beijo

  11. Andréa disse:

    Oi Gabriel!

    Vim retribuir a sua visita. Li este texto e me identifiquei bastante com ele. Me sinto muitas vezes assim….ambígua.
    Gostaria colocar este texto lá no meu blog se vc permitir.
    Adorei teu site voltarei mais vezes, seja bem vindo ao meu jardim 🙂
    BJs, Andréa.

  12. Beatriz disse:

    Gabriel ,

    Ambiguidades que revelam os dilemas quase que constantes da nossa existência .

    Penso que enxergar não o certo ou errado , bem ou mal , mas o “todo” é uma qualidade de poucos.

    Porém ao mesmo tempo nos trás uma inquietude desesperadora entre a radicalização e a aceitação.

    Como concialiar as ambiguidades?!

    Creio que aí esteja grande parte do segredo para construir um bom caminho.

    Bjs

    P.s: Adoro os seus comentários, sempre me fazem refletir novamente sobre meus pensamentos, mto obrigada !;D

  13. Márcio B. S. disse:

    Essa corda-bamba é bem natural da condição de ser humano, talvez por isso mesmo chamamos a sanidade mental de equilíbrio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s