Uma Questão de Coerência

Publicado: junho 8, 2009 em Olhar para dentro, Reflexões

– Ter as expectativas frustradas várias porque as pessoas combinam coisas que não cumprem por displicência;
– Perceber a incapacidade de pessoas e movimentos de agirem de acordo com as idéias que proclamam defender; e
– Ter magoado um grande amigo por ter sido orgulhoso demais.

Tudo isso aconteceu em um espaço de tempo muito curto, roubou meu sono e está me fazendo refletir sobre o porquê de ser tão difícil que nós possamos nos manter coerentes com aquilo que pensamos e sentimos.

Acho que, quando estamos tristes, a tendência é encontrar respostas simplistas e superficiais para as dificuldades. Sobre meu orgulho, sou imperfeito, sobre os canos que levei, é porque nem todos se importam realmente, sobre a incapacidade de certos movimentos de serem tão democráticos quanto aquilo que pregam, é porque eles seriam, de fato, pessoas pouco preocupadas com a democracia.

Acontece que esta análise não só é incapaz de demonstrar o que de fato podemos perceber ao prestar atenção, como também diz muito mais sobre nossos próprios medos, inseguranças e limitações do que daquilo que realmente acontece.

A princípio, tudo soa um pouco confuso. Mas se olharmos para dentro podemos entender um pouco melhor o que acontece ao nosso redor. O quão rígido é nosso sistema moral? O quanto nos importamos em fazer tudo aquilo que acreditamos, e o quanto adiamos decisões, atitudes e posturas necessárias por motivos que nós mesmos consideramos fúteis, distrações e subterfúgios do dia-a-dia que nos afastam daquilo que sabemos e sentimos importante?

A coerência sempre foi um dos meus princípios basilares, e por conta disso eu já me decepcionei com tanta gente, de formas tantas vezes irremediáveis. Mas o ser humano também parece uma ambiguidade e paradoxo tão grande, que exigir coerência sobre tudo e a todo instante me soa como perigoso: estarei exigindo aquilo que eu mesmo não posso oferecer.

Portanto, o mais importante me parece menos exigir a perfeita coerência sobre tudo o que se fala, pensa, sente e faz, e mais entender o processo em si que faz com que o resultado final seja tão diferente dos ingredientes (quando o que acontece não é mesmo aquilo que se queria que acontecesse). Eis um instigante exercício: ao invés de culpar as incoerências, que tal tentar entendê-las para que possamos construir, para nós mesmos, uma vida mais coerente com tudo o que acreditamos e sentimos?

Vamos nessa?

Anúncios
comentários
  1. Jac Oliveira disse:

    Querido, o ser humano e a vida não são coerentes. A gente tem é que se esforçar, isso sim.
    beijo

  2. pedro keppler disse:

    po Gabriel, nunca te vi como orgulhoso.

  3. Carol disse:

    Daniel,

    É muito difícil termos coerência constante em nossas vidas. Mesmo quando acreditamos muito em algo, é comum nos pegarmos pensando sobre a coerência desta crença.

    Novamente seu texto me fez lembrar um poema do Quintana:

    “Contradições
    … mas o que eles não sabem levar em conta é que o poeta é uma criatura essencialmente dramática, isto é, contraditória, isto é, verdadeira.
    E por isso, é que o bom de escrever teatro é que se pode dizer, como toda a sinceridade, as coisas mais opostas.
    Sim, um autor que nunca se contradiz deve estar mentindo”.

    Acho que isso se aplica às nossas vidas também. Nossas falhas ou contradições são parte inerentes de nossa personalidade que só reforça o quanto somos humanos. Não é terrível ir contra nossos princípios ou ideais, o que acho pior é quando não nos damos conta que estamos agindo assim.

    Nossas fraquezas são bem vindas quando sinalizam que temos que repensar os passos e direcionar os corações e mentes para nossos ideias.

    Será que ajudei ou compliquei mais ainda?

    Na verdade, acho que a árvore que levei para o sítio, mora ainda no vaso que o passarinho a plantou. Na verdade, ela continua morando no meu coração. Não importa em que lugar distante esteja crescendo ao sol, ela continuará comigo.

    Justamente porque ela é a minha árvore, que eu a libertei para viver num lugar melhor.

    Isso não é contraditório? É, mas também é muito verdadeiro.

    Beijos e bom final de semana!
    Carol

  4. rafaela disse:

    parar pra entender as coisas é sempre um grande passo.

  5. Colombina disse:

    Por que é difícil ser coerente? Porque… a gente enjoa de rotina, deve ser isso. Andar na linha exige bastante esforço, atenção e equilíbrio. No fundo é questão de educação.

    Já brincou de andar em cima da guia da calçada? Ser coerente é bem parecido com essa situação.

  6. Andréa disse:

    Gabriel….

    Coerência também consiste em perdoar principalmente a nós mesmos com nossas imperfeições e limitações. O mais importante é jamais desistir e sempre buscar o melhor possível pq a coerência perfeita muitas vezes é intangível.
    Cada um de nós sabe no seu íntimo o quanto se empenha em ser coerente, verdadeiro portanto…não se aflija e viva um dia de cada vez com a esperança de que o próximo poderá ser ainda melhor.
    Bom final de semana.
    BJs, Andréa.

  7. chelle disse:

    Quando tentamos ser coerentes e pedir que os outros também sejam, estamos lidando com algo a mais que a simples coerência: o bom-senso. Acho que é esse o ponto complicado. Como definir bom-senso e como “exigir” que todos tenham os mesmos critérios de bom-senso, já que o bom-senso dispõe de uma capacidade natural de se ter critérios? Eu acredito bem na frase “O bom-senso não existe”.

    Se nos analisarmos, perceberemos que somos institivamente incoerente, mas, por meio do bom-senso, tentamos camuflar isso, conforme as velhas imposições sociais e afins. Entretanto, o instinto permanece e o bom-senso não consegue, sempre, cumprir com sua função.

    Ser humano e coerência, para mim, são antagonismos. Tenho mais fé na compreensão alheia.

  8. Márcio B. S. disse:

    Pessoas e conceitos são coisas diferentes e vivem em mundos diferentes: o interno e o externo. A verdade é q as pessoas nunca atingirão o ideal perfeccionista dos conceitos, pois serão sempre imprevisíveis e é isso q distingüe o ser humano das outras coisas.

  9. Mari disse:

    Desde criança na maioria dos casos e das familias somos ensinados a agradar e a obececer. Ao invés de ser sinceros com os nossos sentimentos.´Pois é a partir daí que começa os problemas. Porque quando crescemos ficamos dependentes das pessoas. Sempre esperando que elas nos entendam ou compreendam. Quem foi que disse que todo mundo tem que nos entender? ou nos amar? OPu nos aceitar? Por que as pessoas devem nos aceitar se nós mesmos não nos aceitamos? Somos ensinados a viver para fora de nós mesmos para agradar. E vivemos infelizes. Poruqe quem não procura se agradar primeiro não consegue agradar a ninguém. A questão é: você é capaz de abrir mão do orgulho, do ego e de tantas outras coisas mais para viver de verdade a sua vida a sua vontade. A maioria das pessoas não. Preferem ficar vivendo as suas vidinhas medíocres. Sei que é difícil. E muito difícil abrir mão de coisas que já estão cristalizadas em nós. O orgulho é um dos piores inimigos do homem. Ele é destruidor. Nos destroí. Destrói os outros. Mas o maior inimigo dele é a sinceridade. O orgulho não gosta disso. Ele cai por terra. Beijos

  10. Ela disse:

    Me encanta a tua vontade de entender a vida!

  11. Fabiano disse:

    Parabéns por tão belos e bem postos pensamentos!

    Provocativamente, tenho que a vida pode também ser vista como atos e fatos, todos dentro de um conjunto de regras próprias e obscuras, harmoniosas, e guiada por uma força invisível a um fim não sabido.

    Tal qual a filosofia, a vida pode ser um homem sem visão física, dentro de um quarto escuro, procurando um gato preto, onde não há gato algum.

    Gabriel, obrigado pelo dom da AMIZADE.

    Fabiano

  12. Ariane disse:

    O homem consciente, busca a integração com o Universo, pq reconhece que nao existe divisão.
    O Universo é o Homem e o Homem é o Universo.
    A coerencia é na pratica a exemplificação disto.
    Pensar, Sentir e Agir em alinhamento é a passagem evolutiva do Animal Racional para tornar se Ser Humano. Eu de fato conheço poucos mas eles me inspiran nesta minha propria transição.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s