Sobre Ser e Parecer

Publicado: junho 25, 2011 em Olhar para dentro, Reflexões

Sei que estou encerrando um ciclo, mas é que a minha liberdade custou muito do meu sangue, e isso deixa sua marca. E se transborda disposição do meu peito, não é isso que as pessoas enxergam dos meus olhos cansados (e se a intenção é ser fagulha, me importa muito o que se enxerga de mim).

 

Eu sempre tive dificuldades com o parecer. Acho em geral que as pessoas se distraem tanto pensando em como parecem que se esquecem de tentar descobrir o que efetivamente são, deixam de conhecer e conhecer os outros. Mas hoje percebo que parecer aquilo que se é (ou se pretende ser) pode ser a diferença entre conseguir a coerência não cartesiana necessária ao crescimento (como disse Leminski: “isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além”). Afinal, o que é que podemos dar ao mundo? Aquilo que está simplesmente dentro de nós, ou aquilo que colocamos para fora (consciente ou inconscientemente)? O que é a verdade de nós para os outros senão aquilo que podem enxergar? Talvez ser para si baste a muitos outros. Para mim (e para o que preciso e acredito), tenho de ser ao mundo e para a vida.

 

Porque o cinza não inspira o vermelho. E é deste que eu preciso.

Anúncios
comentários
  1. Rafael Stern disse:

    Também conhecido como “O Principe”, de Nicolau Maquiavel.

  2. Ela disse:

    Eu te desejo vermelho, se é dele que tu precisas.
    Sucesso na fase nova que certamente nascerá depois desta que está finalizando.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s