Caleidoscópio Cinza

Publicado: setembro 24, 2011 em Olhar para dentro, Reflexões

É que às vezes bate um vazio, e uma certa angústia com relação à condições que parecem fazer parte do que somos, e não conseguimos, não podemos mudar. Sou exigente, e em geral gosto das coisas que escolho ser, mas o que fazer com tudo aquilo que me foi dado, que é parte de mim e que, por mais que me incomode, não conseguirei ainda mudar?

Sinto que quando a mudança é em direção a algum ideal, me transborda uma energia que nem existe em mim e que torna possível ao menos tentar. Mas na hora de enfrentar os medos e fantasmas mais íntimos, ainda que haja pouco a perder, sempre me parece demais, e a coragem e disposição se perdem em devaneios escuros.

Sinto que não às vezes não consigo ser quem sou, e então chego a conclusão de que neste momento me torno alguém que não gostaria de ser. E fujo, ainda que não esteja acostumado com essa palavra, para me preservar. E fico a pensar, nesse exato instante, se não seria melhor ter ficado, me destruído, para que pudesse reconstruir? Melhor, talvez, mas não estou pronto. Por enquanto.

Anúncios
comentários
  1. Ela disse:

    As vezes eu me sinto exatamente assim! Também sinto vontade de fujir.
    Identificação grande!

  2. “Ser ou não ser, eis a questão.”

    Eu também fico nessa onda de me questionar sobre essas coisas… Não ser o que eu gostaria, ou que eu sinto que é mais forte em mim!

    Bem, acho que a mudança acontece a partir de acontecimentos externos, que te tiram do seu eixo e te dizem “Oi! Tem alguém aí precisando mudar de postura! Não percebeu que aqui fora as coisas estão acontecendo diferente? Que não dá mais pra você ver as coisas como via antes, e sinto muito… Chegou a hora de amadurecer!”

    “Mas o que fazer com tudo aquilo que me foi dado, que é parte de mim e que, por mais que me incomode, não conseguirei ainda mudar?”

    Posso dizer que me perguntava sobre a mesma coisa alguns poucos dias atrás. Bem, Gabriel… Acho que apesar dessa pressão externa que nos faz agir diferente e mudarmos posturas e pensamentos, tem coisas que fazem parte da nossa personalidade. Coisas que criamos desde crianças e que, talvez, sejam o que nos estruturou para a formação do que somos hoje. Isso é muito difícil de mudar! Mas acho que só pelo fato de se questionar sobre isso, já é válido!

    Eu estou num processo de ruptura de conceitos que não me servem mais, mas que não me largam, digo, eles me fazem sofrer, ter ilusões, projetar coisas que não existem, enfim, coisas que não quero mais. Mas quem disse que eu consigo? Que é simples assim? Mas creio que o primeiro passo para a mudança e para a sabedoria já estamos dando! Nos perguntando, reavaliando, enfim.

    “E fico a pensar, nesse exato instante, se não seria melhor ter ficado, me destruído, para que pudesse reconstruir? Melhor, talvez, mas não estou pronto. Por enquanto.”

    Gabriel, cada coisa no seu tempo! Não podemos esquecer nunca do tempo necessário para cada coisa! Não se apresse, isso é um processo. Acho que o bacana é passar por essas questões sem ficar ansioso pela saída! Mas sim curtir toda a caminhada até lá.

    Chorar, achar tudo uma merda, depois sorrir, depois tudo ficar sem sentido de novo, e depois achar graça de tudo! E depois não. Enfim, se jogar nesse curso! Como você disse, você ainda não está pronto para uma mudança radical, então respeite isso. Mas como eu disse, a mudança já começou… E adorei o seu final! “Por enquanto…” Achei super aberto pra coisas fora da sua ordem no momento, enfim!

    Escrevi pra caramba, mas é porque esse post me tocou!
    Beijos!

  3. Colombina disse:

    Biel, meu anjo, quer dizer que de vez em quando você não está contente com as decisões que toma? Com o que faz? E isso te leva a pensar que você se tornou alguém que não gostaria de ser?

    Se não é, foi isso que entendi.

    Mas se te consola, isso de não ser você mesmo é por pouco tempo. Vai te mudando aos pouquinhos com o passar dos anos, mas tudo o que é vivo muda, meu anjo.

    Falando em mudanças, mudei de blog. Agora escrevo em espanhol Detrás del Balcón.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s